O Ceará é um estado riquíssimo em produtos. Seja no litoral ou no interior, a nossa terra e nosso mar colocam diariamente insumos de altíssimo nível na nossa mesa. Dos camarões da Costa Negra aos aspargos de Icapuí, do arroz de Palmácia às frutas, a gastronomia tem muito a ganhar. E um produto que eu vejo sendo pouco utilizado é a Cajuína. Usada como bebida refrescante, a cajuína é um produto que intriga pela doçura e acidez,  podendo acompanhar carnes, peixes e frutos do mar. Receitas como cajuína e camarão, do restaurante D.O.M. estão aí pra provar isso. Eu uso uma redução de cajuína que acompanha um magret de pato de sol, versão da carne de sol usando o peito do pato. Em Fortaleza, chefs como Ivan Prado e o grande Faustino também se empolgam com o produto. Aliás, o Faustino produz sua própria cajuína e já existe até cajuína orgânica certificada no nosso Estado. É o Ceará mostrando sua força para o mundo. Os amantes da boa mesa agradecem.

 

Na foto:

Esquerda: Camarões, Cajuína e Picles de chuchu do D.O.M. (Foto Sérgio Coimbra)

Direita: Pato de Sol, crocante de macaxeira e redução de cajuína, de Leo Gonçalves. (Foto Geison Genga). 

Leo Gonçalves

Sobre Leo Gonçalves

Leo Gonçalves é um publicitário cearense que aos 36 anos decidiu dedicar à sua grande paixão: a cozinha. Desde março de 2013, viaja o Brasil (e agora para fora do Brasil), trabalhando um mês nos restaurantes mais renomados. Registra e compartilha suas experiências de viagem e do dia-a-dia da cozinha através do projeto Quero Ser Cozinheiro, no instagram (@querosercozinheiro) e Facebook (https://www.facebook.com/querosercozinheiro).