Em Fortaleza ainda não é moda, mas Rio de Janeiro e São Paulo adotaram as bicicletas elétricas e a tendência é só aumentar o número de usuários, especialmente agora que o Contran equiparou as bikes elétricas às comuns e dispensou o uso de placa e necessidade de habilitação pra guiar. A velocidade máxima tem que ser de 25 km por hora e a bicicleta tem que usar energia elétrica como assistente aos pedais e não acelerador. Tá valendo!

Henriette de Salvi

Sobre Henriette de Salvi

Henriette de Salvi é jornalista profissional e há cinco anos faz cobertura do setor automotivo no Ceará, Brasil e pelo mundo. Ela adora dirigir e falar sobre essas máquinas apaixonantes que fazem muita gente virar criança com brinquedo de gente grande.